Espaços alternativos na internet como formas de visibilizar as mulheres no jornalismo brasileiro

  • Myrian Del Vecchio-Lima Universidade Federal do Paraná; Université Lyon Lumière
  • Humberto da Cunha Alves de Souza Universidade Federal do Paraná

Resumo

Apesar da feminização das redações jornalísticas latino-americanas, o Global Report on the Status of Women in the News Media (2015) aponta que o estatuto profissional superior nestes espaços é ainda masculino, o que ocasiona menos probabilidade de mulheres cobrirem histórias ou serem personagens de reportagens; o mesmo relatório indica que o percentual de mulheres como fonte de informação ainda é baixo. O processo reproduz uma visão patriarcal persistente e é parte da chamada “invisibilidade” da mulher na mídia. Este trabalho pressupõe que também no Brasil, o processo de feminização das redações não é acompanhado de conteúdo que valorize a mulher, embora haja avanços. O texto apresenta cinco experiências brasileiras de jornalismo digital que buscam preencher a lacuna da cobertura tradicional sobre questões femininas, tratando a mulher como sujeito social autônomo. Examinou-se a estrutura destas iniciativas e analisou-se o conteúdo de cinco matérias de cada produto, nos meses de julho/agosto de 2016, para verificar como a mulher aparece como protagonista social. O trabalho permitiu refletir sobre um “novo jornalismo” que supere estereótipos, induzindo à visibilização e ao empoderamento social das mulheres. Conclui-se que as iniciativas analisadas podem ser consideradas pontos de observação para integrar práticas positivas no jornalismo hegemônico, ampliando o uso democrático e igualitário da mídia.

  • Resumo viewed = 19 times
  • PDF viewed = 29 times

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-11-16
Como Citar
VECCHIO-LIMA, Myrian Del; ALVES DE SOUZA, Humberto da Cunha. Espaços alternativos na internet como formas de visibilizar as mulheres no jornalismo brasileiro. Media & Jornalismo, [S.l.], v. 17, n. 31, p. 131-152, nov. 2017. ISSN 2183-5462. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/mj/article/view/4799>. Acesso em: 14 dez. 2017.