Os metais do recinto pré-histórico de Castelo Velho de Freixo de Numão no quadro da primeira metalurgia do noroeste da Península Ibérica

  • Carlo Bottaini Universidade de Évora
  • Ignacio Montero-Ruiz Instituto de Historia/CSIC
  • Susana Lopes Universidade de Coimbra
  • Lídia Baptista Universidade de Coimbra
  • Sérgio Gomes Universidade de Coimbra
  • Nelson Vale Arqueologia e Património Lda.

Resumo

Neste texto apresentam-se os resultados preliminares do estudo tipológico e analítico da coleção de objetos metálicos produzidos com ligas à base de cobre do sítio de Castelo Velho de Freixo de Numão. Estes materiais encontravam- se associados a contextos do 3º milénio AC (Calcolítico). As análises, realizadas por fluorescência de raios X (XRF) de forma não destrutiva, mostram que os metais foram produzidos em cobre quase puro e cobre arsenical (>2% As). Também foi registada a presença de impurezas, nomeadamente As (<2%), Fe, Bi, Ag, Sn, Sb e Ni, o que provavelmente está associado à ocorrência vestigial destes elementos nos minérios utilizados para a produção das peças. A apresentação e a discussão dos dados analíticos permitem observar sintonia entre a composição dos metais procedentes de Castelo Velho e a produção metalúrgica típica do Calcolítico do Noroeste peninsular.

  • Resumo visualizado = 12 vezes
  • PDF visualizado = 13 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-02
Como Citar
BOTTAINI, Carlo et al. Os metais do recinto pré-histórico de Castelo Velho de Freixo de Numão no quadro da primeira metalurgia do noroeste da Península Ibérica. digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes, [S.l.], n. extra 1, p. 305-328, jul. 2019. ISSN 2182-844X. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/digitar/article/view/6765>. Acesso em: 19 ago. 2019.