Materialidade e evanescência em app-books: livros digitais interativos para crianças e obstáculos à educação digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_4

Palavras-chave:

livros digitais para crianças, livros de aplicativos móveis, materialidades da literatura, evanescência, bibliotecas digitais

Resumo

O objetivo desta pesquisa é fazer um breve histórico dos trabalhos premiados no Prêmio Jabuti e refletir sobre os desafios apresentados nos livros aplicativos para crianças, especialmente para que possa se tornar uma ferramenta alternativa aplicável à educação literária no ambiente escolar. Entre esses desafios estão a própria materialidade e evanescência dessas produções, questões abordadas com base nas considerações de Hayles (2002), Antonio (2011), Corrêa (2016) e Ribeiro (2017). Também discutiremos um modelo para inserção de livros digitais nas escolas brasileiras em funcionamento desde 2014, as bibliotecas digitais, plataformas que geralmente fornecem produções mais simples, adicionando soluções pedagógicas e avaliação de leitura. A metodologia empregada consiste em pesquisa exploratória de base bibliográfica, descrições comparativas e apreciações de caráter imanente das obras premiadas; além de considerações a partir de entrevistas com atores desse mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Alice Atsuko Matsuda, Universidade Tecnológica Federal do Paraná-Câmpus Curitiba (UTFPR-Curitiba)

Doutora em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Professora Associada I da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba (UTFPR-Curitiba), do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (PPGEL) e do Curso de Graduação em Licenciatura em Letras Português.

Jaqueline Conte, Universidade Tecnológica Federal do Paraná-Câmpus Curitiba (UTFPR-Curitiba)

Mestra em Estudos de Linguagens pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens (PPGEL), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná-Câmpus Curitiba (UTFPR-Curitiba).

Referências

ANTONIO, Jorge Luiz (2011). “Tecno-arte-poesia no Brasil.” O eixo e a roda 20.2: 109-129. Belo Horizonte: UFMG.

CHARTIER, Roger (1998). “A aventura do livro: do leitor ao navegador.” Conversações com Jean Lebrun. Trad. Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/ UNESP.

CONTE, Jaqueline (2019). O Livro Digital Interativo para Crianças: materialidade e evanescência, demanda e mercado – uma leitura a partir dos app-books vencedores do Prêmio Jabuti. Dissertação de Mestrado. (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

CORRÊA, Alamir Aquino (2016a). “Portabilidade, Evanescências e Rubricas: Discussões em Torno da Literatura Digital na Sala de Aula.” MATLIT: Materialidades Da Literatura 4.2: 233-53. https://doi.org/10.14195/2182-8830_4-2_11. [10 June 2019].

CORRÊA, Alamir Aquino (2016b). “Literatura: contexto digital, hipercolonialismo e materialidades.” Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea 47: 119-140 (jan.-jun. 2016). http://dx.doi.org/10.1590/2316-4018476. [10 June 2019].

FREDERICO, Aline (2018). Embodiment and agency in digital reading: Preschoolers making meaning with literary apps (Doctoral thesis). Cambridge: University of Cambridge. https://doi.org/10.17863/CAM.31007. [17 March 2020].

HAYLES, N. Katherine (2002). Writing machines. Cambridge, MA: The MIT Press.

HAYLES, N. Katherine (2009). Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. São Paulo: Global.

KIRCHOF, Edgar Roberto (2009). “O desaparecimento do autor nas tramas da literatura digital: uma reflexão foucaultiana”. Signo 34.56: 47-63. https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/962. [24 June 2020].

KIRCHOF, Edgar Roberto (2013). “Desafios para o ensino da literatura digital?” Revista da Anpoll 35: 127-142 (jul./dez. 2013). https://doi.org/10.18309/anp.v1i35.647. [25 June 2020].

KOMMERS, Piet A.M., Scott Grabinger, and Joanna C. Dunlap (1996). Hypermedia learning environments: Instructional design and integration. London: Psychology Press.

MCLUHAN, Marshall (2011 [1964]). Os meios de comunicação como extensões do homem. Trad. Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix.

MORGAN, Hani (2013). “Multimodal Children’s E-Books Help Young Learners in Reading.” Early Childhood Education Journal 41: 477–483. https://doi.org/10.1007/s10643-013-0575-8

PUBLISHNEWS. “Árvore de Livros cresce e vira Árvore Educação.” https://www.publishnews.com.br/materias/2019/09/30/arvore-de-livros-cresce-e-vira-arvore-educacao. [22 May 2020].

PRIMO, Alex (2000). “Interação mútua e reativa: uma proposta de estudo.” Revista da Famecos 12: 81-92 (jun. 2000). http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/int_mutua_reativa.pdf. [10 June 2019].

RIBEIRO, Ana Elisa (2017). “O bibliógrafo digital: questões sobre a materialidade do livro no século XXI.” Perspectivas em Ciências da Informação 22: 120-130 (jul. 2017). http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-99362017000600120&lng=pt&tlng=pt. [10 June 2019].

TEIXEIRA, Deglaucy Jorge (2015). A interatividade e a narrativa no livro digital infantil: proposição de uma matriz de análise. 202 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Pós-Graduação em Design e Expressão Gráfica, Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/133086. [24 June 2020].

##submission.downloads##

Publicado

2020-10-28

Como Citar

Matsuda, Alice Atsuko, e Jaqueline Conte. 2020. «Materialidade E Evanescência Em App-Books: Livros Digitais Interativos Para crianças E obstáculos à educação Digital». MATLIT: Materialidades Da Literatura 8 (1):65-86. https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_4.

Edição

Secção

Secção Temática | Thematic Section