Poesia Experimental Portuguesa: Confluência, Encontro, Rede

Palavras-chave: PO.EX, António Aragão, experimentalismo literário, neo-vanguarda italiana

Resumo

Partindo da identificação de três vetores fundamentais na história da poesia experimental portuguesa (confluência, encontro, rede), este artigo esboça, na primeira parte, um retrato dos fluxos e contrafluxos que, nos anos 60, marcaram as atividades experimentalistas. Na segunda parte, aprofunda-se o argumento de que António Aragão desempenhou um papel central nos diálogos estabelecidos numa rede internacional, revelando alguns dos seus contactos com vários poetas neovanguardistas italianos e analisando a colaboração do autor numa das suas principais revistas.

DOI: https://doi.org/10.14195/2182-8830_7-1_1

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, Maria de Lurdes (2009). The Debt British Poetry Owes to Portugal: Das relações entre os grupos de poesia concreta em Portugal e na Grã-Bretanha [tese de mestrado]. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

AGUIAR, Fernando, e Silvestre Pestana, eds. (1985). Poemografias: Perspectivas da Poesia Visual Portuguesa. Lisboa: Ulmeiro.

ARAGÃO, António (1966). Carta para Stelio Maria Martini - 19 de abril de 1966. Museo de Arte Moderna e Contemporânea de Trento e Rovereto, Fundo Stelio Maria Martini.

ARAGÃO, António (1971). Carta para Mario Diacono - 18 de novembro de 1971. Collezione Maramotti, Arquivo de Mario Diacono.

ARAGÃO, António (1981). “Intervenção e movimento.” [1965]. PO.EX: Textos teóricos e documen-tos da poesia experimental portuguesa. Ed. Ana Hatherly, e E. M. de Melo e Castro. Lisboa: Moraes Editores. 51–56.

ARAGÃO, António (1994). Entrevista com António Aragão. RTP Madeira, entrevista e repor-tagem realizada por Maria Luísa. 17 jan. 2018. https://www.youtube.com/watch?v=c6LWST35Df4.

ARAGÃO, António, e E. M. de Melo e Castro, eds. (1965). Suplemento especial “Poesia Experimental”. Jornal do Fundão, 24 de janeiro de 1965: s. p.

CARDOSO, Inês (2018, 16 de março). “Aragão, António” [verbete]. Ulyssei@s – Enciclo-pédia Digital. 27 mar. 2018. http://ulysseias.ilcml.com/?glossary=aragao-antonio.

CHIRUMBOLO, Paolo, e Mario Moroni (2010). “Literature and the Arts in the 1960s: An Introduction”. Neoavanguardia: Italian experimental literature and arts in the 1960s. Ed. Paolo Chirumbolo, Mario Moroni, e Luca Somigli. Toronto/Buffalo/Londres: University of Toronto Press. 3-20.

DIACONO, Mario (1965). “EX it” [editorial]. EX 3: s. p.

DIACONO, Mario (2018). Sobre António Aragão em Itália. Mensagem de correio eletrónico recebida a 4 de março de 2018.

FERNANDES, Maria João Lopes (2018). O Encontro entre a Poesia e as Artes Visuais: Poesia Experimental Portuguesa 1964-1974 [tese de doutoramento]. Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

HATHERLY, Ana (1975). A reinvenção da leitura: breve ensaio crítico seguido de 19 textos visuais. Lisboa: Futura.

HATHERLY, Ana (1978). “Situação da vanguarda literária em Portugal (a propósito dum livro de Alberto Pimenta)”. Colóquio/Letras 45: 57-61.

HATHERLY, Ana (2003). Entrevista a Ana Hatherly. RTP Internacional, programa “Entre Nós”, por Raquel Santos. 14 jan. 2019. https://arquivos.rtp.pt/conteudos/ana-hatherly-2/.

HATHERLY, Ana (2011). “Sobre António Aragão um ano depois”. Margem 2 28: 94-97.

HATHERLY, Ana, e E. M. de Melo e Castro, eds. (1981a). “Mesa redonda (transcri-ção)”. PO.EX: Textos teóricos e documentos da poesia experimental portuguesa. Lisboa: Moraes Editores. 17-25.

HATHERLY, Ana (1981b). “PO.EX FORA - Internacional”. PO.EX: Textos teóricos e documentos da poesia experimental portuguesa. Lisboa: Moraes Editores. 213-214.

HATHERLY, Ana (1995). “Poesia Experimental Portuguesa: Uma revisita”. ESPACIO escrito = ESPAÇO escrito 11/12: 59-62.

LEDESMA, Eduardo (2018). «“Lembras-te de quando era tudo diferente?” Concrete Poetry and Revolution in Portugal in the 1960s and ’70s». Luso-Brazilian Review 55.1: 51-84.

LUCA (1963). “Editoriale”. Linea Sud 1: s. p.

MADEIRA, Cláudia (2016). “Arte da Performance e a Guerra Colonial portuguesa: relações no tempo histórico”. Media & Jornalismo 16.29: 15-25. 10 dez. 2019. http://dx.doi.org/10.14195/2183-5462_29_1

MADURO, Daniela Côrtes (2019). “Entre literatura e revolução: a poesia experimental portuguesa”. Colóquio/Letras 202: 160-170.

MAFFEI, Giorgio, e Patrizio Peterlini (2005). Riviste d’Arte d’Avanguardia: Esoeditoria negli anni Sessanta e Settanta in Italia. Milão: S. Bonnard.

MELO E CASTRO, E. M. de (1977). “Notícia de uma poesia experimental portuguesa em 1968”. In-novar. Lisboa: Plátano Editora. 39-44.

MELO E CASTRO, E. M. de (2006). Entrevista de E. M. de Melo e Castro concedida a Raquel Monteiro. Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, Ensaios, Entrevistas, Metodologias. Ed. Rui Torres. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. Vol. 1. 195-202.

MELO E CASTRO, E. M. de (2015). “António António Aragão Aragão”. Cibertextualidades 7: 127-134.

MELO E CASTRO, E. M. de (2018). Sobre o terceiro número de Poesia Experimental e outros esclarecimentos. Mensagem de correio eletrónico recebida a 23 de março de 2018.

MINISTRO, Bruno (2019). “Mergulhar e quase desaparecer: António Aragão e a poesia experimental portuguesa”. Colóquio/Letras 202: 149-159.

MONTEIRO, Raquel (2008). “Sobre a recepção da PO.EX”. Poesia Experimental Portuguesa – Cadernos e Catálogos. Ed. Rui Torres. Porto: Edições Universidade Fernando Pes-soa. Vol. 1. 20-30.

PIMENTEL, Diana (2011). “A curva, o ecrã, a arte da carta”. Margem 2 28: 98-106.

REIS, Pedro (1998). Poesia Concreta: Uma prática intersemiótica. Porto: Universidade Fernando Pessoa.

TORRES, Rui (2008). “Poetics and Politics of the Portuguese Experimental Poetry”. Poesia Experimental Portuguesa – Cadernos e Catálogos. Ed. Rui Torres. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. Vol. 1. 9-18.

TORRES, Rui (2014). “Visualidade e expressividade material na poesia experimental portuguesa”. Poesia Experimental Portuguesa: Contextos, ensaios, entrevistas, metodo-logias. Ed. Rui Torres. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. 9-31.

TORRES, Rui (2015). “Salette Tavares e a Poesia Experimental Portuguesa”. Poesia Espacial [catálogo]. Ed. Ana Margarida Brito Alves e Patrícia Rosas. Lisboa: Centro de Arte Moderna – Gulbenkian. 25-35.

TORRES, Rui (2018). “Dialogue and openness in Portuguese Experimental Poetry”. OEI 80/81: 447-454.

TORRES, Rui, e Álvaro Seiça (2016). “O experimentalismo como invenção, transgres-são e metamorfose: A PO.EX revisitada através de PO-EX.net”. Colóquio/Letras 193: 9-17.

Publicado
2019-11-17
Secção
Secção Temática | Thematic Section