“Emissário de um rei desconhecido”: Sentidos do exílio no Sebastianismo concebido por D. João de Castro (1604-1605)

Palavras-chave: Exílio, Sebastianismo, União Ibérica, D. João de Castro

Resumo

O presente artigo reflete sobre o exílio do letrado português D. João de Castro (1550?-1628?) durante a União Ibérica (1580-1640), período em que Portugal esteve politicamente vinculado à Monarquia Hispânica. Para isso, analisa-se a obra intitulada A Aurora da Quinta Monarquia (1604-1605) no intuito de apreender alguns dos possíveis significados das experiências vivenciadas durante seus deslocamentos pela Europa, particularmente na França, onde o fidalgo permaneceu por maior período de tempo. Conclui-se que o desterro de Castro, imputado pela literatura especializada como o criador do sebastianismo, se expressou, no plano discursivo, como penitência escatológica (individual e coletiva), capaz de remediar os supostos males da distância por meio da elaboração de um projeto político de caráter messiânico que colocasse termo ao domínio castelhano sobre Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-06
Secção
Artigos