A deserção à guerra colonial: história, memória e política

Palavras-chave: deserção, memória, guerra colonial, Estado Novo, testemunho

Resumo

O artigo analisa a deserção e os gestos de desobediência à guerra colonial feitos no âmbito das Forças Armadas Portuguesas entre 1961 e 1974. Pretende-se efetuar um mapeamento sobre a produção historiográfica, testemunhal e audiovisual produzida até ao momento sobre o tema, mostrando de que forma ela foi modelando a memória da deserção e a sua integração mais vasta no quadro da memorialização da guerra. Examina-se, de seguida, o discurso testemunhal produzido antes e depois do 25 de abril sobre o tema, pondo em evidência os seus contextos de produção, a sua função e as suas particularidades. Neste quadro, argumenta-se que a memória da deserção fornece um padrão mnemónico alternativo, com base na denúncia da violência e da injustiça da guerra.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-06
Secção
Artigos