A imprensa do triénio liberal e a revolução portuguesa: entre o iberismo e o internacionalismo liberal

Resumo

Este artigo propõe explorar a receção da Revolução vintista na imprensa do Triénio Liberal. Começamos com uma análise comparativa dos respetivos processos revolucionários para estabelecer os pontos de ligação entre o liberalismo espanhol e o português, tidos aqui como uma consequência do ideário iluminista, da Revolução Francesa e dos eventos desencadeados pela Guerra Peninsular. É assim dada especial atenção às questões Constitucionais, marcadas pelo legado da Constituição de Cádis.
A partir de dois jornais espanhóis, que representavam as visões mais moderadas do liberalismo do triénio, avaliamos a atenção prestada à Revolução Portuguesa e aos debates nas Cortes Constituintes para depois examinarmos a interpretação que faziam das decisões tomadas pelos parlamentares portugueses. Concluímos, assim, que enquanto os jornais incluem a Revolução Portuguesa num movimento internacional de Revoluções liberais que eclodiram no começo da década de 1820, não abandonavam a ideia de uma relação especial entre os dois reinos ibéricos.

Palavras-chave

Vintismo, Triénio Liberal, Liberalismo Internacional, El Universal, El Censor

  • Resumo visualizado = 97 vezes
  • PDF visualizado = 38 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-05-14
Como Citar
MAJOR, Daniela. A imprensa do triénio liberal e a revolução portuguesa: entre o iberismo e o internacionalismo liberal. Revista de História das Ideias, [S.l.], v. 37, p. 109-131, maio 2019. ISSN 2183-8925. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/rhi/article/view/6507>. Acesso em: 19 ago. 2019.
Secção
Artigos