Prevenção da severidade na planície de inundação do rio Aquidauana na cidade de Aquidauana MS/Brasil: ações com a comunidade local

Palavras-chave: Severidade, espaço, representação, sociedade, ensino

Resumo

A bacia do rio Aquidauana abrange uma área de aproximadamente 21.373,85 Km2, envolve 16 municípios no Estado de Mato Grosso do Sul-Brasil e apresenta três unidades fisiográficas: Planalto Maracaju-Campo Grande, Depressão Pantaneira, Planície do Pantanal Sul-Mato-Grossense, abrangendo parte dos biomas Cerrado e Pantanal. Frente ao processo de transformação que redefine a produção e a função do espaço local, o presente artigo busca compreender como se dá a relação da sociedade com a sua produção, a geografia, a escola e a práxis socioambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anunciação, V. S. da; Sant`Anna Neto, J. L. (2014). Prevenção de riscos com a comunidade local na planície de inundação do rio Aquidauana na cidade de Aquidauana MS/Brasil. In: RISCOS – Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança (Org.). Multidimensão e territórios de risco, Coimbra; p. 887-891. Disponível em: https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/preven%C3%A7%C3%A3o_de_riscos_com_comunidade_local_na_plan%C3%ADcie_de_inunda%C3%A7%C3%A3o_do_rio_aqiuidauana_na_cidade

BRASIL (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: geografia / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

Callai, H. C. (2003). O Ensino de Geografia: Recortes Espaciais para Análise. In: CastrogiovanI, Carlos [et al.]. (orgs). Geografia em Sala de Aula: Práticas e Reflexões. 4. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Castellar, S. (2010). Ensino de Geografia. São Paulo: Cengage Learning.

Conti, J. B. (2001). Resgatando a fisiologia da paisagem. Revista do Departamento de Geografia da USP, n. 14., p. 59-68.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Kaercher, N. A. (2003). A Geografia é o Nosso Dia-a-dia. In: Castrogiovani, Carlos [et al.]. (orgs). Geografia em Sala de Aula: Práticas e Reflexões. 4. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Lourenço, L. (2014). Risco, Perigo e Crise. Trilogia de base na definição de um modelo conceptual operacional. In Realidades e desafios na gestão dos riscos - Diálogo entre ciência e utilizadores, 61 - 72. Coimbra: NICIF - Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais. Disponível em: https://digitalis.uc.pt/ptpt/livro/risco_perigo_e_crise_trilogia_de_base_na_defini%C3%A7%C3%A3o_de_um_modelo_conceptual_operacional. Acesso em: 10 de jan. 2017.

Lourenço, L. (2006). Riscos naturais, antrópicos e mistos. Territorium, 14, Coimbra, p.109-113. Disponível em: http://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/3266/2513.

Lourenço, Luciano (1999). Coimbra e os riscos naturais. Passado e presente. Caderno de Geografia e Actas do I Colóquio de Geografia em Coimbra, nº especial, p.37-43. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/nicif/Publicacoes/Estudos_de_Colaboradores/PDF/Comunicacoes_congressos/IColoquio_de_Geografia_de_Coimbra_1996.

Nunes, A, Lourenço, L., Pinho, J, Bento-Gonçalves, A. e Vieira, A. (2013). Episódios Hidrometeorológicos Extremos Noticiados no Distrito de Coimbra Durante a Segunda Metade do Século XIX. Territorium, Revista da Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança, n° 20, p 29-36. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/Documentacao/Territorium/T20_ artigos/T20_Artigo03.pdf.

Rebelo, F. (1997). Riscos e a crise nas inundações rápidas em espaço urbano. Alguns exemplos portugueses analisados a diferentes escalas. Territorium, Revista da Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança, 4, p. 29-27. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/ riscos/Documentacao/Territorium/T04_artg/ T04_Artg04.pdf.

Rebelo, F. (2003). Riscos Naturais e Acção Antrópica. Estudos e Reflexões. Coimbra, Imprensa da Universidade, 286 p. (2ª edição, revista e aumentada). Disponível em: https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/riscos_naturais_e_ac%C3%A7%C3%A3o_antr%C3%B3pica_estudos_e_reflex%C3%B5es.

Rebelo, F. (2010). Geografia física e riscos naturais. Coimbra: Imprensa da Univ. de Coimbra, 215 p.

Sant`anna Neto, J. L. S. (2008). Da climatologia geográfica à geografia do clima: gênese, paradigmas e aplicações do clima como fenômeno geográfico. Revista da Anpege, 4. São Paulo.

Sant`anna Neto,J.L.S.(2014). Climatologia e geografia em dez questões. Disponível em: http://www.abclima.ggf.br.

Santos, M. (1978). Por uma Geografia Nova. São Paulo: Hucitec, Edusp.

Santos, M. (1979). Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes.

Santos, M. (1985). Espaço e método. São Paulo: Nobel.

Santos, M. (2005). Da totalidade ao lugar. São Paulo, EDUSP.

Seabra, O. C. L. (2001). Urbanização e fragmentação: apontamentos para o estudo do bairro e da memória urbana. In: Sposito, M. E. B. (Org.) Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP / GAsPERR, p. 75-96.

Tripp, D. (2005). Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez.

Tardif, M. (2007). Saberes Docentes e Formação Profissional (8a Ed. ed.). Petrópolis: Editora Vozes.

Vlach, V. R. (2002). Geografia escolar: relações e representações da prática social. Revista Caminhos da Geografia 3(5), Fev/ Instituto de Geografia UFU, 2002. p. 44-51. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/10103/5972.

Publicado
2018-03-23
Secção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)