(Re)ler o passado / (re)escrever o futuro: literatura digital e património imaterial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_5

Palavras-chave:

ciberliteratura, experimentalismo, literatura digital, património imaterial, narrativas populares

Resumo

Partindo da contextualização da Literatura Digital em Portugal, enquanto herdeira do Experimentalismo praticado pelo movimento PO.EX – isto é, uma literatura em mutação e assente numa tipologia de constrangimentos muito própria –, no presente artigo propomo-nos dar conta do potencial de (re)criação artística e literária da Ciberliteratura portuguesa, na (re)transmissão das narrativas populares de base oral entendidas como manifestações do património imaterial (literário) português. Através da exploração de processos combinatórios e gerativos de escrileitura, analisam-se exemplos de autores e obras de literatura digital enquadráveis numa estratégia de educação patrimonial participativa à luz da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AARSETH, Espen (1997). Cybertext: Perspectives on Ergodic Literature. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press.

BARBOSA, Pedro (2006). “Aspectos Quânticos do Cibertexto.” Cibertextualidades 1: 11-42. https://www.po-ex.net/images/stories/textoscolectivos/emmc_poexttdpep_p9-15_26-27_258_apoesiaexperimentalportuguesa.pdf [17 Dezembro 2019].

BARBOSA, Pedro (1996). Teoria do Homem Sentado. Porto: Edições Afrontamento.

BARBOSA, Pedro (1996b). A Ciberliteratura: criação literária e computador. Lisboa: Cosmos.

BARBOSA, Pedro (1977). Literatura Cibernética 1: autopoemas gerados por computador. Porto: Ed. Árvore.

MELO E CASTRO, E. M. de (1981). “A Poesia Experimental Portuguesa.” [1977]. PO.EX: Textos teóricos e documentos da poesia experimental portuguesa. Org. Ana Hatherly & E. M. de M. e Castro. Lisboa: Moraes Editores. 9-12.

MELO E CASTRO, E. M. de (1976). Dialéctica das Vanguardas. Lisboa: Horizonte.

GOMES, Maria dos Prazeres (1993). Outrora agora. Relações dialógicas na poesia portuguesa de invenção. São Paulo: EDUC.

HATHERLY, Ana (1983). Anacrusa. 68 Sonhos. Lisboa: & etc/Publicações Culturais Engrenagem.

HATHERLY, Ana (1995). A Casa das Musas. Lisboa: Editorial Estampa.

HATHERLY, Ana (1983). A Experiência do Prodígio: bases teóricas e antologia de textos-visuais portugueses dos séculos XVII e XVIII. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

HATHERLY, Ana (1975). A Reinvenção da Leitura. Lisboa: Futura.

MARQUES, Diogo (2018). Reading Digits: Haptic Reading Processes in the Experience of Digital Literary Works. Tese de Doutoramento em Materialidades da Literatura. Universidade de Coimbra. https://estudogeral.uc.pt/handle/10316/81171 [17 Dezembro 2019].

Ministério da Educação (2018). Aprendizagens Essenciais - Articulação com o Perfil dos Alunos: Português — 3.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação. https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Projetos_Curriculares/Aprendizagens_Essenciais/Consulta_Publica/3_ciclo/8_portugues_cp.pdf [17 Dezembro 2019].

PARAFITA, Alexandre (2006). “O que nos dizem os mitos? – O caso da Torre de Dona Chama.” Mitologia, tradição e inovação – (Re)leituras para uma nova literatura infantil. Coordenação Armindo Mesquita. Vila Nova de Gaia: Edições Gailivro.

PEIXOTO, Paulo (2004). “Identidade como recurso metonímico dos processos de patrimonialização.” Revista Crítica de Ciências Sociais de Coimbra 70: 183-204.

PORTELA, Manuel (2009). “Flash Script Poex: A Recodificação Digital do Poema Experimental.” Cibertextualidades 3: 43-57.

RAMADA PRIETO, Lucas (2018). Esto no va de libros: literatura infantil y juvenil digital y educación literaria. Universitat Autònoma de Barcelona.

TORRES, Rui, and Sandy Baldwin, eds. (2014). “Introduction by the editors.” PO.EX: Essays from Portugal on Cyberliterature and Intermedia by Pedro Barbosa, Ana Hatherly, and E.M. de Melo e Castro. Eds. Rui Torres & Sandy Baldwin. Center for Literary Computing. Morgantown, WV: West Virginia University Press. xiii-xxiii. https://po-ex.net/taxonomia/transtextualidades/metatextualidades-alografas/po-ex-essays-from-portugal-on-cyberliterature-and-intermedia-by-pedro-barbosa-ana-hatherly-and-e-m-de-melo-e-castro/ [17 Dezembro 2019].

UNESCO (2003). Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial. Paris: UNESCO. https://ich.unesco.org/doc/src/00009-PT-Portugal-PDF.pdfhttps://ich.unesco.org/doc/src/00009-PT-Portugal-PDF.pdf[17 Dezembro 2019].

VV.AA. (2019). “Literatura eletrónica para crianças: o caso do projeto ‘Murais e Literatura: A Criação Digital em Contexto Educativo.’” Leitura: Teoria & Prática 37.75: 39-66.

WARDRIPP-FRUIN, Noah (2010). “Learning to read digital literature.” Reading Moving Letters. Digital Literature in Research and Teaching: A handbook. Eds. Roberto Simanowski, Jörgen Schäfer, and Peter Gendolla. Bielefeld: Transcript-Verlag. 249-260.

##submission.downloads##

Publicado

2020-10-28

Como Citar

Marques, Diogo, e Ana Gago. 2020. «(Re)ler O Passado / (re)escrever O Futuro: Literatura Digital E património Imaterial». MATLIT: Materialidades Da Literatura 8 (1):87-103. https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_5.

Edição

Secção

Secção Temática | Thematic Section