ALGUM LUGAR, DE PALOMA VIDAL: DESLOCAMENTO, ESTRANHAMENTO E MELANCOLIA

  • Ana Maria Lisboa de Mello PPGLEN – Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

São recorrentes, no romance brasileiro contemporâneo, sobretudo a partir da década de 1990, deslocamentos e mudanças espaciais de personagens que, situados temporariamente em outros países e culturas, enfrentam a solidão, o estranhamento e empreendem a busca de si mesmos. Nessa perspectiva, analisamos o romance Algum lugar (2009), de Paloma Vidal. A protagonista e seu companheiro deslocam-se do Rio de Janeiro para cumprir estágio de pesquisa em Los Angeles. A cidade norte-americana, com grandes avenidas, vazias de pessoas, e supremacia do automóvel, mostra-se hostil, semelhante ao “não-lugar”, caracterizado por Marc Augé. A cidade é o retrato de um mundo que se tornou hostil ao convívio humano; a configuração da cidade suprime a possibilidade do encontro, fato que dilacera o indivíduo, cada vez mais só, exilado de si mesmo, dividido entre o sonho e a realidade devoradora e habitado por uma falta indefinida, um vazio existencial.

Palavras-chave

cidades contemporâneas, deslocamento, estranhamento, desencontros, crises existenciais, melancolia

  • Resumo visualizado = 25 vezes
  • PDF visualizado = 46 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-15
Como Citar
MELLO, Ana Maria Lisboa de. ALGUM LUGAR, DE PALOMA VIDAL: DESLOCAMENTO, ESTRANHAMENTO E MELANCOLIA. Revista de Estudos Literários, [S.l.], v. 8, p. 327-352, jan. 2019. ISSN 2183-847X. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/rel/article/view/6206>. Acesso em: 20 abr. 2019.