“Entre os parágrafos mortos da história”. Sobre a historicidade na ficção queirosiana

Palavras-chave: historicidade, Eça de Queirós, personagem, ficcionalidade

Resumo

Neste artigo problematiza-se a noção de historicidade, conduzindo aquela problematização a uma categoria axial dos textos narrativos, a personagem, bem como aos termos em que ela vive eventos históricos. Confirma-se, assim, a dimensão histórica da literatura, sem se privilegiar uma leitura historicista dos textos narrativos literários, entendidos como meros epifenómenos da História. No que diz respeito a Eça de Queirós, dá-se atenção a textos ficcionais e a outros não-ficcionais, observando-se neles maneiras de historicidade ou modos ficcionais de ser histórico. Procede-se, então, a várias indagações que contemplam referências históricas, o grau de conhecimento (ou de reconhecimento) da História na ficção queirosiana e ainda a inferência de informações históricas não expressas, o que contribui para configurar as personagens e o cenário em que elas se movem. Também os textos doutrinários de Eça acolhem elementos de uma historicidade que atravessa toda a produção queirosiana, podendo aqueles textos antecipar ou confirmar a presença da História, de forma explícita ou enviesada, na ficção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, Dário M. de Castro (1984). Era Lisboa e chovia… Todas as personagens de Eça na Lisboa bem-amada. Lisboa: Livros do Brasil.

Bachtin, Michail (1979). Estetica e romanzo. A cura di Clara Strada Janovic. 2.ª ed., Torino: Einaudi.

Caprettini, Gian Paolo (1994). “Alegoria”, in Enciclopédia Einaudi. Volume 31. Signo. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda. 246-278.

Chevalier, Jean e Alain gheerbrant (1995). Dictionnaire des symboles. Mythes, rêves, coutumes, gestes, formes, figures, couleurs, nombres. Paris: Éditions Robert Laffont et Éditions Jupiter.

Coelho, Jacinto do Prado (1976). Ao Contrário de Penélope. Amadora: Liv. Bertrand.

Cunha, Maria do Rosário (1997). Molduras: Articulações Externas do Romance Queirosiano. Lisboa: Universidade Aberta.

Dias, Marina Tavares (2003). A Lisboa de Eça de Queiroz. 2.ª ed., Lisboa: Quimera.

Doležel, Lubomír (1998). Heterocosmica. Fiction and Possible Worlds. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press.

Engels, Friedrich (2000). “Engels to Margaret Harkness in London”, Marx-Engels Correspondence 1888, disponível em https://www.marxists.org/archive/marx/works/1888/letters/88_04_15.htm, consultado em 6.7.2019.

Garrett, Almeida (1963). “Ao Conservatório Real”, in Obras de Almeida Garrett. Porto: Lello & Irmão, vol. 2: 1081-1088.

Halsall, Albert W. (1988). L’art de convaincre: le récit pragmatique, rhétorique, idéologie, propagande. Toronto: Paratexte.

Herculano, Alexandre (1840). “A Velhice”. O Panorama. Vol. IV: 242-246.

Houaiss, Antônio e Mauro de Salles villar (2002-3). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Lisboa: Círculo de Leitores.

Ingarden Roman ([1931] 1973). A obra de arte literária. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Lewis, David (1978). “Truth in Fiction”. American Philosophical Quarterly. 15. 1: 37-46.

Lisboa, Maria Manuel (2008). Uma mãe desconhecida. Amor e perdição em Eça de Queirós. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Marinho, Maria de Fátima (2005). “A intromissão da História na ficção de Eça de Queirós”, in B. Berrini (org.), Eça & Machado. São Paulo: EDUC/ Fapesp/ Fund. Gulbenkian. 169-183.

Matos, A. Campos (1987). Imagens do Portugal Queirosiano. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Matos, A. Campos e Fernando Castelo Branco (1983). Roteiro queiroziano em Lisboa. A Lisboa do conselheiro Acácio. Lisboa: Centro Nacional de Cultura.

Miné, Elza. (2000). Páginas Flutuantes – Eça de Queirós e o Jornalismo do Século XIX. S. Paulo: Ateliê Editora.

Monteiro, Ofélia Paiva (s.d.). “Carlos Whitestone (Júlio Dinis, Uma Família Inglesa: Cenas da Vida do Porto)”, in Dicionário de Personagens da Ficção Portuguesa, disponível em http://dp.uc.pt/conteudos/entradas-do-dicionario/item/541-whitestone-carlos; consultado em 6.7.2019.

Moretti, Franco (1998). Atlas of the European Novel. London/New York: Verso.

Oliveira, Raquel Trentin (2014). Eça de Queirós e o espaço romanesco. Porto Alegre: EdiPUCRS.

Queirós, Eça de (1995). Textos de Imprensa VI (da Revista de Portugal). Edição de Maria Helena Santana. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (1999). A Ilustre Casa de Ramires. Edição de Elena Losada Soler. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2000). O Crime do Padre Amaro. Edição de Carlos Reis e Maria do Rosário Cunha. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2002). Textos de Imprensa IV (da Gazeta de Notícias). Edição de Elza Miné e Neuma Cavalcante. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2004). Textos de Imprensa I (da Gazeta de Portugal). Edição de Carlos Reis e Ana Teresa Peixinho. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2005). Textos de Imprensa V. Da Revista Moderna. Edição de Elena Losada Soler. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2008). Correspondência. Organização e anotações de A. Campos Matos. Lisboa: Caminho, vols. I e II.

__ (2009). Cartas Públicas. Edição de Ana Teresa Peixinho. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

__ (2017). Os Maias. Episódios da Vida Romântica. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

Reis, Carlos (1990). As Conferências do Casino. Lisboa: Publicações Alfa.

__ (1999). Estudos Queirosianos. Ensaios sobre Eça de Queirós e a sua obra. Lisboa: Presença.

__ (2005). “Depois do Terramoto: Eça de Queirós e as maravilhas da Avenida”, in Helena C. Buescu e Gonçalo Cordeiro (orgs.), O grande terramoto de Lisboa. Ficar diferente. Lisboa: Gradiva/Fundação Cidade de Lisboa. 333-355.

__ (2012). “Lisboa como paisagem. A cidade segundo Fradique Mendes”. Colóquio/Letras. 179: 19-31.

__ (2018a). Pessoas de Livro. Estudos sobre a Personagem. 3.ª ed., Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. (disponível em https://digitalisdsp.uc.pt/bitstream/10316.2/44233/1/Pessoas_de_livro.pdf?ln=pt-pt)

__ (2018b). Dicionário de Estudos Narrativos. Coimbra: Almedina.

Remédios, Maria Luiza Ritzel (2002). “A Ilustre Casa de Ramires: História e paródia”. Congresso de Estudos Queirosianos. IV Encontro Internacional de Queirosianos. Actas. Coimbra: Almedina/ILLP. Vol. II. 789-799.

Ribeiro, Maria Aparecida (2000). História Crítica da Literatura Portuguesa. Volume VI. Realismo e Naturalismo. 2ª ed., Lisboa: Verbo.

Vieira, Cristina da C. (2008). A construção da personagem romanesca. Lisboa: Edições Colibri.

Vilela, Mário (1995). Léxico e Gramática. Coimbra: Almedina.
Publicado
2019-11-04
Secção
Secção Temática