A ascensão social no romance histórico de Alexandre Dumas e de Camilo Castelo Branco

Palavras-chave: Romance histórico, Alexandre Dumas, Camilo Castelo Branco

Resumo

Este artigo propõe uma análise do best-seller histórico Os Três Mosqueteiros (1844), de Alexandre Dumas, focando na temática da ascensão social apresentada por meio do protagonista d’Artagnan e da vilã Milady. Em seguida, busca-se compreender como o mito da meritocracia é questionado pelo escritor português Camilo Castelo Branco, em O Demônio do Ouro (1873), romance histórico que possui um protagonista em busca da ascensão social, como em Dumas, e um vilão similar, em muitos aspectos, a Milady. Objetiva-se, a partir deste estudo, refletir sobre como a temática da ascensão social é vista de maneira diversa na França, um dos centros do capitalismo, e em Portugal, uma semiperiferia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bauer, Camille (1965). “Le mythe de d’Artagnan”. The French Review. 39.3: 329-336, disponível em http://www.jstor.org/stable/384746 (consultado em 13/07/2017).

Castelo Branco, Camilo (1987). “O Demônio do Ouro: romance original”, in Obras Completas, v. 7. Porto: Lello & Irmão. 325-619.

Dumas, Alexandre (1849). Les Trois Mousquetaires. Paris: MM. J.-B. Fellens et L.-P. Dufour Éditeurs, disponível em http://gallica.bnf.fr (consultado em 01/04/2018).

__ (2010). Os Três Mosqueteiros. Trad. André Telles & Rodrigo Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar.

Garrett, Almeida (2010). Viagens na Minha Terra. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

Hobsbawm, Eric J. (2007a). A Era das Revoluções: Europa 1789-1848. Trad. Maria Tereza Lopes Teixeira & Marcos Penchel. 21.ª ed., São Paulo: Paz e Terra.

__ (2007b). A Era do Capital: 1848-1875. Trad. Luciano Costa Neto. 12.ª ed., São Paulo: Paz e Terra.

Lacerda, Rodrigo (2010). ”Apresentação”, in Alexandre Dumas, Os Três Mosqueteiros. Trad. André Telles & Rodrigo Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar. 7-19.

Lukács, György (2011). O Romance Histórico. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, Paulo Motta (2011). “Cartografia de muitos embates: a ascensão do romance em Portugal”. Floema. VII.9: 249-282, disponível em http://periodicos.uesb.br/index.php/floema/article/viewFile/791/791 (consultado em 15/07/2017).

Pavanelo, Luciene Marie (2013a). “O Demônio do Ouro, de Camilo Castelo Branco: um outro romance histórico de (mais) um mestre na (semi)periferia do capitalismo”. Revista Letras. 87: 169-186, disponível em https://revistas.ufpr.br/letras/article/view/31295/22016 (consultado em 15/01/2019).

__ (2013b). Camilo Castelo Branco e Joaquim Manuel de Macedo: convergências na ascensão do romance nas periferias do capitalismo. Tese de Doutorado – São Paulo: Universidade de São Paulo.

Petit-Rasselle, Roxane (2011). “Le problème du héros dans Les Trois Mousquetaires”. The French Review. 84.5: 978-990, disponível em http://www.jstor.org/stable/41151854 (consultado em 13/07/2017).

Queirós, Eça (1995). O Primo Basílio. São Paulo: Moderna.

Rodrigues, A. A. Gonçalves (1993). A Tradução em Portugal: 1851/1870. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa.

Santos, Boaventura de Sousa (1994). Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 7.ª ed., Porto: Edições Afrontamento.

Schwarz, Roberto (2000). “A importação do romance e suas contradições em Alencar”, in Ao Vencedor as Batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34. 33-79.
Publicado
2019-11-04
Secção
Secção Temática