Reis Ventura, a imaginação do império e a subjetividade colonial

Palavras-chave: Reis Ventura, romance colonial, imaginação histórica, ideologia, subjetividade coletiva

Resumo

Este estudo é uma releitura da obra de Reis Ventura (1910-1988), alicerçada na historiografia do império, que reinterpreta os romances do autor a partir do ‘homem português’, da dimensão político-económica do império, da ‘cultura portuguesa’ e da sua expressão colonial. É na (inter)relação entre estes níveis e na sua integração que se expressa na literatura de Reis Ventura o projeto metafísico e utópico do império Português. Publicados nas páginas de A Província de Angola, os romances de Reis Ventura traduziram e disseminaram a ideologia e os mitos do império português em África, contribuindo para uma representação histórica imaginada do império, para a constituição da utopia colonial e da subjetividade coletiva dos portugueses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alexandre, Valentim (1995). “A África no imaginário político português (séculos XIX e XX)”. Penélope. 15: 39-52.

__ (2017). Contra o Vento – Portugal, O Império e A Maré Anticolonial (1945-1960). Lisboa: Temas e Debates.

Almeida, Onésimo Teotónio de (2017). A Obsessão da Portugalidade. Lisboa: Quetzal.

Anderson, Benedict (2006). Imagined Communities, Reflections on the Origin and Spread of Nationalism. Londres: Verso [1983].

Anuário Estatístico de 1970. Luanda: Instituto Nacional de Estatística, Delegação de Angola, Direcção Provincial dos Serviços de Estatística (1973).

Cabaço, José Luís (2010). Moçambique: Identidades, Colonialismo e Libertação. Maputo: Marimbique.

Castelo, Cláudia (1998). “O Modo português de estar no mundo” – O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Edições Afrontamento.

César, Amândio (1972). Antologia do Conto Ultramarino. Lisboa: Editorial Verbo.

César, Amândio e Mário António (1968). Elementos para uma Bibliografia da Literatura e Cultura Portuguesa Ultramarina Contemporânea: poesia, ficção, memorialismo, ensaio. Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Clarence-smith, Gervase (1985). O Terceiro Império Português (1825-1975). Lisboa: Teorema.

Cristóvão, Fernando (2002). Condicionantes Culturais da Literatura de Viagens, Estudos e Bibliografias. Coimbra: Almedina e Centro de Literaturas de Expressão Portuguesa da Universidade de Lisboa.

__ (dir.) (2010). Literatura de Viagens: Da Tradicional à Nova e à Novíssima (marcas e temas). Coimbra: Almedina e Centro de Literaturas de Expressão Portuguesa da Universidade de Lisboa.

Fonseca, Isadora de Ataíde (2014). A Imprensa e o Império na África Portuguesa, 1842-1974. Tese de Doutoramento em Sociologia da Cultura, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Grazia, Victoria de (2005). Irresistible Empire, America’s Advance through Twentieth-Century Europe. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University.

Jameson, Fredric (1981). The Political Unconscious. London and New York: Routledge.

Jerónimo, Miguel Bandeira (2013). O Império Colonial em Questão (Sécs. XIX-XX). Lisboa: Almedina.

Laranjeira, Pires; Inocência Mata e E. R. Santos (1995). Literaturas africanas de expressão portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.

Lourenço, Eduardo (2014). Do Colonialismo como Nosso Impensado. Lisboa: Gradiva.

Mackenzie, John (1986). Imperialism and Popular Culture. Manchester: Manchester University Press.

Margarido, Alfredo (1980). Estudos Sobre Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Lisboa: A Regra do Jogo.

Melo, Daniel (2013). Salazarismo e Cultura Popular (1933-1958). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Moser, Gerald e Manuel Ferreira (1983). Bibliografia das Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Noa, Francisco (2002). Império, Mito e Miopia – Moçambique como invenção literária. Lisboa: Caminho.

Pimenta, Susana Maria A. G. M. (2016). Dinâmicas coloniais e pós-coloniais: os casos de Reis Ventura, Guilhermina de Azeredo e Castro Soromenho. Tese de Doutoramento em Ciências da Cultura, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Real, Miguel (2010). Introdução à Cultura Portuguesa. Lisboa: Planeta.

Rosa, Frederico D. e Filipe Verde (2013). Exploradores Portugueses e Reis Africanos: viagens ao coração de África no século XIX. Lisboa: Esfera dos Livros.

Rosas, Fernando (2001). “O Salazarismo e o homem novo: ensaio sobre o Estado Novo e a questão do totalitarismo”. Análise Social. XXXV.157: 1031-1054.

Silva, Cristina Nogueira da (2017). A Construção Jurídica dos Territórios Ultramarinos Portugueses no Século XX: Modelos, Doutrinas e Leis. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Sousa dias, Gastão (1926). África Portentosa. Porto: Renascença Portu­guesa.

Torres, Adelino (1991). O Império Português entre o Real e o Imaginário. Lisboa: Escher.

Trindade, Luís (2008). O Estranho Caso do Nacionalismo Português – O salazarismo entre a literatura e a política. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Ventura, Reis (1934). A Romaria. Coimbra: Imprensa da Universidade.

__ (1957). Cafuso – Memórias dum Colono de Angola. Porto: Livraria Civilização.

__ (1960). Filha de Branco. Luanda: Edição Lello.

__ (1960a). Palavras ao Vento… (Crítica e Comentário). Luanda: Tipografia Angolana.

__ (1962). Fazenda Abandonada. Sá da Bandeira: Publicações Imbondeiro.

__ (1964). Engrenagens malditas. Braga: Editora Pax.

__ (1965). Caminhos: vida e paixão dum motorista de Angola. 2.ª ed., Braga: Editora Pax.

__ (1966). Queimados do Sol. Braga: Editora Pax.

__ (1968). Um Homem de Outro Mundo. Braga: Editora Pax.

__ (1970). Cidade e Muceque. Braga: Editora Pax.

__ (1972). Gente Para Amanhã. Braga: Editora Pax.

__ (1981). Sangue no capim atraiçoado. Lisboa: Edições FP.

Xavier, Ângela Barreto e Cristina Nogueira da Silva (2016). O Governo dos Outros – Poder e Diferença no Império Português. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

White, Hayden (1987). The Content of the Form – Narrative Discourse and Historical Representation. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press.
Publicado
2019-11-04
Secção
Secção Temática