Contos de Costa Andrade como retrato documental do reordenamento rural no planalto central

Palavras-chave: historicidade, contexto, contos, documentos, reordenamento rural

Resumo

O estudo de documentos que fornecem dados e descrevem factos reportando o processo de reordenamento rural na década de 60 em Angola permite estabelecer conexões suscetíveis de caucionar a dimensão histórica dos contos de Estórias de contratados, de Costa Andrade.
Em finais de 1967, o Governo-Geral da Província de Angola instruiu a Junta de Povoamento para superintender operações de reordenamento rural das populações, transferindo-as para zonas agrícolas escolhidas e assentando-as em aldeias vigiadas (campos de reagrupamento). O Planalto Central, concretamente a localidade de Bailundo (no distrito do Huambo), oferecia condições propícias para uma experiência inicial por algumas razões: em função do contexto político, devido à sua posição geográfica, por se tratar de uma região essencialmente agrícola e por ser a mais povoada.
Estórias de contratados textualiza o processo de emigração das populações: ou forçadas pela administração colonial, ou por vontade própria, dada a procura de terras para cultivar. A partir dos dados que os documentos fornecem, a nossa perspetiva de estudo consiste em descrever a significação do texto a fim de compreender a sua historicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade, Costa (1988). Estórias de contratados. 3.ª ed., Luanda: UEA.

Andrade, Garibaldino e Leonel Cosme (org.) (1962). Novos contos d´África. Sá da Bandeira: Imbondeiro.

CEA [Centro de Estudos Angolanos] (1968). Dados gerais sobre mão-de-obra angolana, VII série, julho. Alger: CEA.

__ (1969a). Em plena decadência a agricultura no Huambo, IX série, janeiro. Alger: CEA.

__ (1969b). Fichas de informação sobre a conjuntura, IX série, janeiro. Alger: CEA.

__ (1969c). Intensifica-se o reordenamento rural no Huambo, IX série, janeiro. Alger: CEA.

__ (1969d). Huambo é o principal fornecedor de contratados, IX série, janeiro. Alger: CEA.

__ (1969e). Intensifica-se o reordenamento rural no Huambo, IX série, janeiro. Alger: CEA.

David, Raul (1990). Escamoteados na lei. Luanda: UEA.

Howe, Irving (1998). A política e o romance. São Paulo: Perspectiva.

Laranjeira, Pires (1996). “Uma Casa de mensagens anti-imperiais”, in Manuel Ferreira (dir.), Mensagem – Casa dos Estudantes do Império, vol. 1. Lousã: ALAC. xi-xxxi.

Monteiro, César (1960). “Palavras de Abertura”, in Manuel Ferreira (dir.), Mensagem – Casa dos Estudantes do Império, vol. 2. Lousã: ALAC. 4-5.

Mukarovsky, Jan (1997). Escritos sobre a estética e semiótica da arte. Lisboa: Estampa.

Pepetela (1993). Geração da utopia. Lisboa: Dom Quixote.

__ (1997). O cão e os caluandas. Lisboa: Dom Quixote.

__ (1999). Mayombe. Lisboa: Dom Quixote [Luanda: UEA, 1985].

__ (1999). A geração da utopia. Luanda: Nzila.

Rocha, Jofre (1985). Crónicas de ontem e de sempre. Luanda: UEA.

Rui, Manuel (1989). Quem me dera ser onda. Luanda: UEA.

Silva, Vítor Aguiar e (2005). “Texto e contexto na História Literária”, in Maria da Penha Campos Fernandes (coord.). História(s) da Literatura. Coimbra: Almedina. 21-28.

Venâncio, José Carlos (2004). Jaime Bunda versus Sem Medo – Nacionalismo e estado pós-colonial em Angola no registo de um dos seus escritores. Covilhã: CES-UBI.

Wheeler, Douglas e René Pélissier (2011). História de Angola. Lisboa: Tinta-da-China.

Xitu, Wanhenga (1990). O ministro. Luanda: Caxinde.
Publicado
2019-11-04
Secção
Secção Temática