O meme como estratégia de marketing institucional em redes sociais digitais

  • Eliane Pawlowski de Oliveira Araújo Universidade Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-0949-8760
  • Claudio Paixão Anastácio de Paula Universidade Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-9587-2191
  • Jose Ricardo da Silva Neto Universidade Federal de Minas Gerais
  • Débora de Almeida Dias Universidade Federal de Minas Gerais
  • Camila Pawlowski Ferreira Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: meme; marketing institucional; informação; imaginário ; comunicação

Resumo

O meme, fenômeno cultural no século XXI, é caracterizado como uma forma de comunicação coletiva, paródica e baseada em uma recriação excessiva que se espalha de modo viral. Essa forma de expressão, por seu alcance, foi apropriada pelas organizações como modo inovador de divulgar mensagens, vender produtos, serviços ou ideias. Considerando a importância de se estar em destaque, estas características são um fator relevante para as organizações porque, em um cenário de excesso informacional, ser acessado pelo maior número possível de pessoas é estratégico. Contudo, apesar da possibilidade de sua utilização no ambiente organizacional, existe a necessidade do meme se revestir de uma imagem institucional, o que requer a observância de certos quesitos para reforçar a marca da instituição sem ferir aspectos éticos. Neste sentido, o presente artigo buscou destacar uma atividade de marketing institucional desenvolvida por um grupo de pesquisa que utilizou o meme como estratégia de divulgação devido ao seu potencial simbólico. O resultado obtido na campanha realizada se traduziu em um aumento exponencial do número de seguidores da página destacando-se das demais postagens do grupo na rede social digital utilizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Eliane Pawlowski de Oliveira Araújo, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Administração, é Especialista em Gestão Estratégica da Informação (2010), Mestra (2013) e Doutora (2017) em Ciência da Informação - área de Gestão da Informação e Conhecimento - pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com estágio pós-doutoral (2019) pelo Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da mesma Universidade. Exerce a função de Coordenadora Adjunta do Gabinete de Estudos da Informação e do Imaginário (GEDII/UFMG) dedicando-se a pesquisas que abordam temas relacionados aos comportamentos e práticas informacionais e dimensões simbólicas do uso da informação. É membro do Centro de Investigação em Comunicação, Informação e Cultura Digital ( CIC.Digital) da Universidade do Porto, Portugal. Desenvolve estudos na área de educação a distância tendo atuado como tutor pelo Centro de Apoio a Educação a Distância - CAED/UFMG no período de 2012/2013. É servidora da Universidade Federal de Minas Gerais, lotada no Sistema de Bibliotecas, exercendo atividades na área de planejamento, gestão e apoio a projetos. Com formação em Análise de Sistemas pelo Instituto de Ciências Exatas (ICEx/UFMG), coordenou o projeto de Inventário do parque computacional da UFMG (1999) da Assessoria de Tecnologia da Informação e exerceu a Coordenação Adjunta do Programa de Administração e Gerenciamento de resíduos sólidos (Geresol UFMG), de 1999 a 2004

Claudio Paixão Anastácio de Paula, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui doutorado em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (2005), mestrado em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1999), graduação em Psicologia (Habilitação em Psicologia Clínica) pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (1994) e bacharelado e licenciatura em Psicologia pela Fundação Mineira de Educação e Cultura (1993). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Teoria e Gestão da Informação (DTGI) da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e desenvolve a pesquisa ?Dimensões simbólicas e afetivas da informação: construindo um repertório de práticas de investigação? na ECI/UFMG. É coordenador do GEDII (Gabinete de Estudos da Informação e do Imaginário, no PPGCI/ECI/UFMG), dedicando-se a pesquisas que abordam temas relacionados aos comportamentos e práticas informacionais e dimensões simbólicas do uso da informação. É pesquisador do GECCI (Grupo de Estudos Cognitivos em Ciência da Informação, na ECI/UFMG) e do EPIC (Estudos de Práticas Informacionais e Cultura, na ECI/UFMG), ambos vinculados ao PPGCI/UFMG. É também coordenador do curso de especialização em "Gestão da Informação e Pessoas" (GIP) do Núcleo de Informação Tecnológica e Gerencial (NITEG) da ECI/UFMG. Possui capítulos de livros e artigos publicados sobre Abordagem Clínica da Informação (ACI), inconsciente, imaginação, pós-modernidade, novas tecnologias, psicoterapia, saúde, educação para a saúde, saúde mental, psicologia junguiana, identidade brasileira, gestão do conhecimento, administração, empreendedorismo, informação e psicologia organizacional. Inclui, entre suas experiências, atividades junto à ACT. Inc. (Companhia especializada em avaliação e certificação educacional, ocupacional e profissional) no Brasil e em sua sede em Iowa City, USA. Tendo atuado nesse período como coordenador de projetos para a Secretaria de Estado de Educação (MG), da Secretaria Estadual de Planejamento (MG) e da FIEMG. Foi um dos criadores do Curso de Psicologia da Faculdade FEAD. Atua nas áreas de Gestão do Conhecimento e Psicologia, com ênfase em Relações Simbólicas nas Organizações. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Abordagem Clínica da Informação (ACI), subjetividade, dimensões simbólico-afetivas da informação, gestão do conhecimento, psicologia analítica, estudos junguianos, psicologia organizacional, empreendedorismo, gestão de pessoas e Jung. Possui uma longa experiência como psicólogo clínico atuando em consultório particular. Foi Membro do Comitê Executivo da International Association for Junguian Studies e Membro Fundador da EMDR-Brasil (Associação Brasileira de EMDR - Eye Movement Desensitization and Reprocessing), instituição filiada à EMDRIA (EMDR International Association)

Jose Ricardo da Silva Neto, Universidade Federal de Minas Gerais

Interessado em pesquisas em ciência da informação e comunicação. Dando enfase aos jogos digitais, e outras manifestações da informação na internet e imaginário. Possui experiência na área de biblioteconomia com gestão e operação de acervo. Além disso, vem atuando em empresas ou grupos independentes desenvolvedores de jogos digitais, com suporte a processos criativos e a documentação referente a fase de produção.

Débora de Almeida Dias, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Biblioteconomia na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Camila Pawlowski Ferreira, Universidade Federal de Minas Gerais

Estudante de graduação na Universidade Federal de Minas Gerais, na área de Artes, curso de Cinema de Animação e Artes Digitais. Foi bolsista de Iniciação Científica no projeto sobre produção de memórias com uso de mídias locativas e ambientes programáveis da Escola de Belas Artes-UFMG em 2015, e participou do projeto como animadora em 2017.  Foi bolsista de Iniciação Científica no projeto  Tutoria científico-acadêmica em pesquisas sobre o fenômeno infocomunicacional em 2018-2019. Foi intercambista na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, em Portugal, em 2015-2016. Participou do "2017 HUST-UFMG CI Chinese Culture Immersion Camp" na Huazhong University of Science and Technology localizada em Wuhan, China.

Publicado
2020-05-28
Como Citar
Araújo, E., Paula, C., Silva Neto, J. R., Dias, D., & Ferreira, C. (2020). O meme como estratégia de marketing institucional em redes sociais digitais. Media & Jornalismo, 20(36), 73-91. https://doi.org/10.14195/2183-5462_36_4