O manuscrito deu origem ao romance histórico ou o romance deu origem ao manuscrito? A atualização de códices em Alexandre Herculano

Palavras-chave: Alexandre Herculano, Romance histórico, Manuscritos, Documentos

Resumo

No presente estudo analisamos a estratégia literária de Alexandre Herculano (1810-1877) em filiar as suas ficções históricas a manuscritos pré-existentes. Para tanto, averiguamos os romances históricos Eurico, o presbítero (1844) e O Monge de Cister (1848), que compõem a coletânea Monasticon (1848), e outras narrativas que foram coligidas pelo autor em Lendas e Narrativas (1851), estabelecendo um diálogo com os trabalhos de Ana Marques (2012), Eduardo Lourenço (1992), Isabel Román (1988), Maria de Fátima Marinho (1984; 1999; 2013) e Paulo Motta Oliveira (2000). Abordamos a ficcionalização dos supostos manuscritos pré-existentes, como recurso composicional, e também a possível fundamentação e ficcionalização de Livros de Linhagens da Idade Média e de crónicas documentais nas produções literárias de Herculano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Buescu, Ana Isabel (2013). “Alexandre Herculano e a polémica de Ourique: Anticlericalismo e iconoclastia”, in Maria de Fátima Marinho, Luís Carlos Amaral e Pedro Vilas-Boas Tavares (coords.), Revisitando Herculano no bicentenário do seu nascimento. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 37-57.

“Chronicas Breves” (1970) in José Joaquim Nunes. Crestomatia Arcaica: Excertos da Literatura Portuguesa desde o que mais antigo se conhece até o século XVI. Porto: Livraria Clássica Editora. 103-105.

Herculano, Alexandre (s.d.). Eurico, o presbítero. Lisboa: Livraria Bertrand.

__ (s.d.). História de Portugal: Tomo I. Lisboa: Livraria Bertrand.

__ (s.d.). Lendas e Narrativas: Tomo I. Lisboa: Livraria Bertrand.

__ (1949). Lendas e Narrativas. São Paulo: W.M. Jackson.

__ (s.d.). O Bobo (1128). Lisboa: Livraria Bertrand.

__ (s.d.). O Monge de Cister ou a época de D. João I: Tomos I e II. Lisboa: Livraria Bertrand.

__ (s.d.). Opusculos: Questões Publicas: Tomo I. Lisboa: Livraria Bertrand.

“IV Livro das Linhagens” (1970) in José Joaquim Nunes. Crestomatia Arcaica: Excertos da Literatura Portuguesa desde o que mais antigo se conhece até o século XVI. Porto: Livraria Clássica Editora 13-15.

Lourenço, Eduardo (1992). O Labirinto da Saudade: Psicanálise Mítica do Destino Português. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Marinho, Maria de Fátima (2013). “A falsa ingenuidade de Herculano”, in Maria de Fátima Marinho, Luís Carlos Amaral e Pedro Vilas-Boas Tavares (coords.). Revisitando Herculano no bicentenário do seu nascimento. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 165-176.

__ (1984). “O Romance Histórico de Alexandre Herculano”. Revista da Faculdade de Letras, Línguas e Literaturas. Porto. II série. 1.1: 97-117.

__ (1999). O Romance Histórico em Portugal. Porto: Campo das Letras.

Marques, Ana Maria dos Santos (2012). O Anacronismo do Romance Histórico Português Oitocentista. Porto: Edições Afrontamento.

Muniz, Márcio Ricardo Coelho (2009). “Biografia de Trovadores e Jograis” in Lênia Márcia Mongelli, Fremosos Cantares: Antologia da Lírica Medieval Galego-Portuguesa. São Paulo: Martins Fontes. 415-459.

Oliveira, Paulo Motta (2000). “Alexandre Herculano: malhas da história, armadilhas da ficção” in Maria Cecília Bruzzi Boëchat, Paulo Motta Oliveira e Silvana Maria Pessôa Oliveira (orgs.). Romance Histórico: recorrências e transformações. Belo Horizonte: FALE/UFMG. 129-149.

Román, Isabel (1988). “La organización enunciativa de la novela histórica”. Revista Internacional de Semiótica y Teoría Literaria. Sevilla. 2: 109-121.
Publicado
2019-11-04
Secção
Secção Temática