Crise económica e dificuldades familiares: Duas faces da mesma moeda?

  • Diana Cunha Aluna de doutoramento da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
  • Ana Paula Relvas Professora Catedrática da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.
Palavras-chave: rise económica, funcionamento familiar, conjugal e individual, estudo português

Resumo

Os meios de comunicação têm promovido a ideia de que a crise económica está fortemente associada a uma deterioração da saúde mental e a consequências familiares importantes. No entanto, esta parece ser uma “verdade” muito pouco estudada em Portugal, apesar de ser quase dogmaticamente assumida. Assim, este estudo analisa uma amostra de pessoas (N = 287) que considera a crise económica o seu principal problema familiar, atendendo às seguintes variáveis: dificuldades familiares (SCORE-15), qualidade da vida familiar (QV),
ajustamento conjugal (DAS), satisfação conjugal (EASAVIC), congruência (CE) e sintomas psicopatológicos (BSI). Os resultados mostram que, apesar de a crise afetar a qualidade de vida, os participantes são resilientes em termos do funcionamento familiar, sendo a conjugalidade, a área relacional mais prejudicada. Embora mais tristes e preocupados, os participantes mostram-se emocionalmente saudáveis. Este estudo apresenta algumas limitações, como as características da amostra. Apesar disso, contribui para preencher a lacuna de evidências científicas sobre o impacto da crise económica nas famílias portuguesas, através de uma abordagem mais psicossocial e despatologizante.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-08-22
Como Citar
Cunha, D., & Relvas, A. (2016). Crise económica e dificuldades familiares: Duas faces da mesma moeda?. Psychologica, 58(2), 25-39. https://doi.org/10.14195/1647-8606_58-2_2
Secção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)